Síndrome Metabólica

Se na década de cinquenta as pessoas sofriam com as doenças infecto-contagiosas, em pleno século XXI convivemos com problemas como obesidade, diabetes e hipertensão. A Síndrome Metabólica é um transtorno comum nos dias de hoje e que preocupa os profissionais de saúde. A nutricionista Gertrudes Ladeira fala um pouco sobre o assunto e dá dicas de prevenção e controle. Confira:

1) O que é a tão falada Síndrome Metabólica?

Síndrome Metabólica é um termo que designa a presença de um conjunto de fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares (ataques cardíacos e derrames cerebrais), vasculares periféricas e diabetes.

Essa tem como base à resistência à ação da insulina, por isso também é conhecida como síndrome de resistência à insulina. Com a resistência á insulina o pâncreas produz mais deste hormônio ocasionando hiperinsulinemia, responsável pelo desenvolvimento dos outros componentes da síndrome metabólica.
Segundo os critérios brasileiros, a Síndrome Metabólica ocorre quando estão presentes três dos cinco critérios abaixo:
• Obesidade abdominal: circunferência da cintura superior a 88 cm na mulher e 102 cm no homem;
• Hipertensão Arterial: pressão arterial sistólica 130 e/ou pressão arterial diastólica 85 mmHg;
• Glicemia alterada (glicemia 110 mg/dl) ou diagnóstico de diabetes;
• Triglicerídeos: maior que 150 mg/dl;
• HDL colesterol menor que 40 mg/dl em homens e menor que 50 mg/dl em mulheres.

2) Somente pessoas idosas estão sujeitas à síndrome ou ela pode acontecer em qualquer idade?

Esta síndrome pode acontecer em qualquer idade, inclusive, estudos mais recentes têm comprovado o aparecimento dessa Síndrome em crianças e adolescentes, o que é muito preocupante, pois a presença de alterações metabólicas (resistência à insulina, dislipidemia, hipertensão, hiperuricemia) na infância e adolescência contribui para uma alta taxa de morbimortalidade na vida adulta por doenças cardiovasculares.

3) Há tratamento para esta síndrome?

Sim, o tratamento se baseia na adoção de um estilo de vida saudável, evitar o fumo, realizar atividades físicas, manter uma alimentação saudável e perder peso. Em alguns casos é necessário o uso de medicação.

4) O controle da Síndrome metabólica deve ser feito somente por um médico ou há a necessidade do envolvimento de outros profissionais?

Há necessidade do envolvimento de outros profissionais, sobretudo de um profissional de nutrição com o objetivo de reeducação alimentar e orientação da perda de peso e de um profissional de educação física para orientação da atividade mais adequada ás condições de cada paciente.

5) De que forma o trabalho com o nutricionista e a alimentação adequada podem ajudar o portador da Síndrome Metabólica?

A orientação nutricional para uma alimentação saudável e para perda de peso irá repercutir positivamente no controle da obesidade, que se acredita ser a condição primeira para o desenvolvimento da síndrome. Com um peso adequado diminui-se a resistência á insulina e controlam-se todos os outros fatores, revertendo o quadro clínico. Uma alimentação saudável e o estabelecimento de hábitos alimentares adequados irão proporcionar ao paciente a cura da síndrome, maior qualidade de vida e um menor risco de desenvolvimento de outras doenças cardiovasculares.

6) Para quem não é portador da síndrome e quer se prevenir, quais seriam os seus conselhos?

Manter uma alimentação saudável, um peso adequado e praticar alguma atividade física regularmente são as melhores formas de prevenir a Síndrome Metabólica. Procurar orientação de profissionais devidamente capacitados para modificar seu estilo de vida.