Rede Nutrício de Atendimento de Nutricionistas
Home » Entrevistas sobre nutrição » Proteína animal e proteína vegetal

Proteína Animal x Proteína vegetal

Muitas pessoas têm buscado uma alternativa alimentar, comendo mais frutas, verduras, legumes, e deixando de lado as carnes. Fica, porém, o questionamento: E a proteína? Nesta entrevista a Gerusa Carvalho, nutricionista em Belo Horizonte, MG, tira algumas dúvidas sobra as duas proteína e ainda fala o que é mito e o que é verdade sobre as mesmas.
Nutricionista Gerusa Carvalho

Quais as principais características da proteína vegetal? E da proteína animal?
Gerusa: Para entender as principais características entre as proteínas animal e vegetal, precisamos saber um pouco mais sobre os aminoácidos (são os blocos de formação de proteínas). Estes aminoácidos podem ser essenciais e não essenciais.
Os aminoácidos não essenciais podem ser produzidos pelo corpo humano, enquanto os aminoácidos essenciais não são fabricados em nosso organismo, portanto precisamos ingerir alimentos fontes de proteínas para que possamos obter esses aminoácidos essenciais.
As proteínas de origem animal fornecem aminoácidos de alto valor biológico, ou seja, é uma proteína completa, porque ela contém todos os aminoácidos essenciais em quantidades e proporções ideais para atender às necessidades orgânicas.
Já as proteínas de origem vegetal, são de baixo valor biológico, pois têm uma quantidade menor de aminoácidos essenciais.

Qual importância para o nosso organismo?
Gerusa: As proteínas, depois da água, são os constituintes de maior quantidade no organismo. Elas são importantes nos processos de coagulação sangüínea, na formação de anticorpos, na catalisação de reações químicas, elas transportam substancias no nosso organismo, constroem novos tecidos, são matérias prima para alguns hormônios, entre outras funções.

Uma é melhor do que a outra?
Gerusa
: Não necessiarimente. Equilíbrio é a chave. O ideal é consumir as duas em quantidades adequadas para atender as necessidades diárias. As proteínas de origem animal como as carnes, ovos, leite e derivados irão fornecer aminoácidos de alto valor biológico, ou seja, os completos, aqueles que o nosso corpo não consegue fabricar. Além disso, são ricas em ferro, cálcio, zinco e vitamina B12. Mas possuem a desvantagem de serem pobre em fibras e ricas em gorduras nocivas, sendo seu excesso na maioria das vezes associado á doenças.
Já as proteínas de origem vegetal, como a soja, o feijão e a lentilha, possuem uma quantidade menor de aminoácidos essenciais, mas em contrapartida são ricos em carboidratos, vitaminas, fibras, e não possuem gorduras nocivas.

Para quem se recusa a consumir proteína animal, é prejudicial para a saúde?
Gerusa: Prejudicial não, de forma alguma. Existem até algumas pesquisas que vêm mostrando que os vegetarianos têm menor risco de serem acometidos câncer, doenças cardiovasculares, aumento da pressão arterial e transtornos intestinais. Mas certamente, essas pessoas que se recusam a comer os alimentos de origem animal, precisaram de um “olhar mais minucioso”, quando o assunto é escolha dos alimentos. Nesse sentido, o ideal é procurar um profissional. O nutricionista irá traçar um planejamento alimentar personalizado. Na verdade, a exclusão dos alimentos de origem animal da alimentação implica na substituição por outros alimentos, e o nutricionista saberá fazer isso de forma muito satisfatória. Na maioria dos casos, é necessário ter cuidado especial com vitamina B12, vitamina D, o cálcio, ferro e zinco.

Quais os mitos e as verdades sobre essas proteína?
Gerusa: Quando o assunto é proteína, vários são os tabus que alimentam as dúvidas de vegetarianos e de pessoas que querem aderir à dieta vegetariana. Mas não se deixem enganar. Muitas delas são mitos:

Todo vegetariano é anêmico. Mito!
A deficiência de ferro no organismo não é exclusividade dos vegetarianos e aparece também em pessoas que têm dieta pobre em ferro, o tipo da doença mais comum, mas também com baixos índices de zinco e vitaminas B12 (cujas proteínas de origem animal, incluindo leite e derivados são as principais fontes) e proteínas.

Vegetarianos podem praticar esportes regularmente. Verdade!
Claro! Uma alimentação que fornece todos os nutrientes essenciais, como é a vegetariana, não traz nenhuma limitação à prática de atividades físicas, muito pelo contrário. Alguns atletas famosos e medalhistas olímpicos, como Carl Lewis e o pugilista brasileiro Éder Jofre, são vegetarianos.

A dieta restrita a proteínas vegetais pode trazer riscos à saúde. Mito!
Quando bem planejada, a dieta vegetariana é viável em qualquer fase da vida. Já dietas onívoras estão mais sujeitas às doenças do excesso alimentar. As dietas veganas apenas exigem um cuidado maior com relação ao cálcio e vitamina B12. A partir do terceiro ano de veganismo, é necessária uma suplementação de vitamina B12, pois não existe a ingestão da vitamina.

Crianças precisam de carne para se desenvolver normalmente? Mito!
Não há nenhum componente presente na carne que não seja encontrado nos outros alimentos utilizados pelos vegetarianos, portanto, não. Os estudos que encontraram crescimento inadequado foram realizados com crianças submetidas a dietas extremamente restritas, como nas macrobióticas. A dieta vegetariana (inclusive sem ovos, queijo e leite), bem planejada, promove crescimento e desenvolvimento normais.

O vegetariano tem menos chances de sofrer doenças cardiovasculares? Verdade!
Sim! Não há mais dúvidas com relação a isso. Os resultados dos estudos são unânimes nessa constatação. Devido a isso, a American Heart Association recomenda a dieta vegetariana.

Quais os alimentos ricos em proteína animal e vegetal?
Gerusa
: As principais fontes de proteína animal são: carnes, vísceras, peixes, ovos e leite e derivados. Já a proteína vegetal é encontrada nos feijões, lentilhas, soja, amendoim, grão de bico, ervilhas, amendoim, castanhas, tofu (queijo de soja).

Menu Principal

Menu de Serviços

Pesquisar no Site


Publicidade