Doença Celíaca: A Importância Nutricional

A doença celíaca (DC) caracteriza-se por uma intolerância ao glúten, proteína encontrada na farinha de trigo, centeio, cevada e na aveia. O consumo destes alimentos por pessoas portadores da doença, leva a uma ativação dos anticorpos do intestino delgado. Esses se combinam ao glúten fazendo com que as vilosidades (dobras) do intestino delgado se aplanem. Como consequência a absorção de nutrientes é reduzida, podendo levar a deficiências nutricionais.

As causas da doença ainda não estão bem esclarecidas, porém acredita-se que seja uma combinação de fatores genéticos e ambientais.

A forma clássica da doença celíaca aparece em crianças após o desmame, quando há a introdução da alimentação complementar e inclui sintomas como: diarréia, emagrecimento, anemia, falta de apetite, vômitos, dor abdominal, desnutrição, entre outros. Na forma não clássica as alterações gastrintestinais não são tão drásticas e os sintomas variam entre anemia, irritabilidade, fadiga, baixo ganho de peso, constipação. A importância de se fazer um diagnóstico precoce da forma assintomática é que a ausência de tratamento pode levar a complicações como o câncer, osteoporose, anemia, aborto e até esterilidade além de ocasionar diversas carências nutricionais.

O tratamento baseia-se na exclusão total de alimentos e preparações que contenham glúten. Retirando o glúten da dieta, os sintomas desaparecem e o intestino, aos poucos, se restabelece votando a função normal. Como os sintomas podem aparecer depois de uma pequena ingestão de glúten e esse é amplamente utilizado pela indústria, é necessária uma leitura detalhada dos rótulos dos alimentos.

O portador da doença celíaca muitas vezes tem dificuldade em equilibrar a alimentação diante das limitações impostas pela intolerância. O cuidado nutricional tem a função não somente de garantir os nutrientes necessários por meio de alternativas alimentares como também de oferecer ao portador da doença opções e receitas sem glúten.

Confira algumas dicas que vão auxiliá-lo a ter uma alimentação segura

  • Ao comprar alimentos atente-se aos rótulos dos produtos industrializados, examine sua composição para confirmar os que realmente não contém glúten;
  • Tome cuidado ao comer fora de casa, pois mesmo que digam que o alimento ao contém glúten, os utensílios utilizados para preparação podem conter resquícios do mesmo;
  • Prefira fazer suas refeições em casa, pois você sabe a procedência desses;
  • Não reutilize óleos onde foram fritos empanados contendo farinha de trigo;
  • Não engrosse, molhos, pudins ou cremes com farinha de trigo;
  • Não polvilhe formas para assar com farinha de trigo;
  • Oriente a sua família com relação à doença;
  • Ao ser convidado para uma festa, caso tenha liberdade com o anfitrião, comente sobre os alimentos proibidos para que seja possível providenciar uma opção segura para o seu consumo;
  • Varie a sua alimentação, testes receitas e procure lojas especializadas em produtos sem glúten.

Continuação com a matéria Alimentação da Doença Celíaca »